Bastidores do Poder

Publicado em: 20/05/2020  |  Por: Danilo Andrade - Manaus/AM  | Opinião

Enquanto a Aleam se anula frente ao Poder Judiário, o Governo segue com contratos suspeitos, milionários e sem licitação

Foto: Divulgação

Antes, o deputado Dr.Gomes deu ao Poder Judiciário a decisão de a Aleam poder continuar ou não com o processo de impeachment do governador e do vice

Atendendo aos pedidos dos deputados da base governista, a Justiça impede a Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam) de exercer o papel de fiscalizadora. Enquanto isso, o Governo do Amazonas firma contratos milionários, com dispensas de licitações justificadas pela calamidade pública, quase diariamente, com empresas sem expertise para prestar um tipo de serviço ou fornecer certo material.

Semana passada, o deputado estadual Dr. Gomes (PSC) entregou ao Poder Judiciário a decisão de a Casa Legislativa poder continuar ou não com o processo de impeachment do governador, Wilson Lima (PSC), e do vice, Carlos Almeida (PTB). Agora, foi a vez da deputada Alessandra Campêlo vender a autonomia do parlamento à Justiça para blindar a gestão de Wilson Lima de uma possível queda.

Sem respostas

Enquanto isso, a Secretaria de Saúde do Estado do Amazonas (Susam) ainda não esclareceu o porquê de ter comprado da FJAP E CIA LTDA, a adega, os ventiladores pulmonares se outras empresas apresentaram preços mais vantajosos. Ainda sobre esse caso, a Secretaria também não disse, e nem tem pressa em responder, porque afirmou, via assessoria de comunicação, que o fornecedor não obteve lucro e, mais tarde, o advogado do sócio administrador desmentiu essa versão, em rede nacional.

Com a pauta travada na Aleam, permanece sem resposta a questão da empresa de telefonia que presta o serviço de enfermagem no interior do Amazonas, a história da gráfica que assumiu a portaria de um hospital, o aluguel de hospital com preço suspeito e, a mais recente, a empresa contratada para realizar a limpeza e conservação para a Secretaria de Cultura (SEC), mas sem permissão do corpo de bombeiros para atuar em prédios históricos.

Advogados de defesa

Para os parlamentares da base, o ritual do Regimento Interno da Casa Legislativa foi violado tanto durante o andamento do processo de impeachment, quando no caso da CPI da Saúde, o que poderia até tornar ilegal as decisões tomadas pelos legisladores. E para defender essa tese não poupam a voz, mas, ficam mudos diante do tema de maior interesse público, a saúde. Mudos não, mas se prestam a dispar clichês como “A saúde do mundo inteiro enfrentou problemas por causa da pandemia”, “A pandemia pegou todo mundo de surpresa” e a preferida do “Novo”, “Nas gestões passadas...”.
 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Nome:

Email:

Mensagem:

MAIS NOTÍCIAS

CURTA NA FAN PAGE
ENQUETE
O Amazonês
Tel.: (92) 99187-6366
© Copyright 2019 - O Amazonês. Todos os direitos reservados.